Podcast com os administradores do blog

Nesse podcast fizemos uma linha do tempo nostálgica dos melhores e piores momentos do jogo. Confira agora!

Código do Audi A1 Clubsport Quattro

Resgate já o seu A1!

Ranking dos melhores carros para drag

Confira o novo ranking dos melhores carros para drag!

Ranking dos melhores carros para fugas

Saiba quais são os melhores carros de cada classe para fuga em equipe!

Represente o Brasil no NFSUnlimited!

Conheça o site e ajude o Brasil a subir nos rankings.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Review - Dodge Charger R/T



A Dodge lançou o Charger em 1966, baseado no Coronet, com o objetivo de integrar o efervescido mercado dos “muscle cars”. Sua primeira reformulação, entre 1968 e 1970, trouxe inúmeras mudanças estéticas. Em sua gama de motores, destacavam-se o “427 Hemi” de 425cv, “440 Magnum” de 375cv e “440 Six Pack” de 385cv, amplamente usados em outros modelos da linha Dodge e Plymouth.

O Dodge Charger é, sem dúvida, um dos esportivos americanos de maior sucesso, tanto por seu desenho de forte personalidade, como também por sua potência. Esse reconhecimento é refletido por várias participações do carro em filmes: Bullitt (1968), Corrida contra o Destino (Vanishing Point, 1997), Os Gatões (The Dukes of Hazzard, 2005), À Prova de Morte (Death Proof, 2007), a série Velozes e Furiosos, entre outros.

Desempenho em corridas

Classe E


O Charger é capaz de atingir, aproximadamente, 207kmh sem nitro e 226kmh com nitro, números semelhantes aos do Mitsubishi Eclipse GT e Nissan Silvia. Logo, não são valores muito altos. Sua aceleração é regular, comparando-se ao Dodge Challenger R/T. Entretanto, sua largada é relativamente mais forte que seu “irmão”, devido à curtíssima primeira marcha e seu poder de nitro levemente superior.

A dirigibilidade é o seu ponto crítico. Sua direção apresenta respostas lentas com esterçamento limitado, fatores que causam o subesterço (sair de frente nas curvas). Para agravar ainda mais, o Dodge sobresterça (sai de traseira) espontaneamente. Na Classe E, o carro deslizará em quase todas as curvas.

Classe D



Nessa especificação, é capaz de atingir por volta de 255kmh sem nitro e 277kmh com nitro. São bons valores, porém muito aquém do que se encontra no Challenger e Pontiac GTO, absolutos nesse quesito. Sua aceleração na Classe D é boa e, combinada com skills de poder de nitro, alcançam facilmente sua velocidade máxima. A largada perfeita se destaca somente aos carros de nitro fraco, pois está abaixo de Lexus IS300, Chevrolet Chevelle, Toyota MR2 etc.

A dirigibilidade permanece ruim e os números de handling diminuem, significando uma menor tendência ao sobresterço. Outro ponto negativo é a má absorção de impactos nos pulos, piorada com a pouca firmeza do carro, que resultam em redução de velocidade (somente o Challenger R/T é inferior nessa situação). Ainda assim, com menor desequilíbrio em relação às outras classes, o Charger é recomendável para a Classe D, em eventos como Mission Street e Waterfront Road.

Classe C


Com as melhores peças Ultra, a velocidade máxima passa a ser sua característica mais expressiva. Seu limite está entre 295kmh sem nitro, e 320kmh com nitro. Entre os “ex-T1”, são valores superados somente por Eclipse GT, Challenger R/T e GTO. Sua aceleração é boa, e com o uso de skills de nitro, podem garantir retomadas consideráveis de velocidade. Com mais oponentes de nitro forte, é essencial equipá-lo com skills Headstart para diminuir a diferença na largada.

Os números de handling caem novamente, mas com decréscimo sutil. Nessa classe, o Charger tem mais tendência a sair de frente, porém ainda deslizará caso o jogador solte o acelerador. O ideal é usar os freios antes da curva, desacelerando somente quando necessário.

Essa é a classe menos recomendada ao carro, visto que são necessárias peças e skills de último nível, para obter-se desempenho regular em pistas com mais retas, tal como Rockridge & Union.

Team Escape:

Provavelmente o modo de jogo mais adequado ao Dodge Charger, que possui boa resistência às batidas (maximizada com skills Collision Force) e retomadas de velocidade suficientes. Entretanto, deve-se atentar aos pulos em certas colisões e aos desvios das viaturas Rhino.

Drag Race:

O único evento restrito que o Charger pode participar é a Gridlock, da Classe C. Para um carro de nitro fraco, o Dodge tem fortes arrancadas e sua aceleração pode ser considerada boa. Mas devido a pouca capacidade de desviar do tráfego e o já mencionado nitro, está muito abaixo dos melhores carros para drags.

Preço:

Sua versão “Black” custa 800 SB, e a versão IGC “Blue” custa $150.000.

Curiosidade:

Com o patch das Classes em 2012, todas as versões do Charger foram retiradas da loja. Porém, pouco antes da versão IGC retornar, houve uma promoção com sua versão de Speedboost, vendida por apenas 480SB. Além de trazer consigo um slot (e ainda mais barato que o slot avulso), incluíam-se também peças race tuned, tornando-o praticamente maximizado para a Classe D.

Conclusão:

 O Dodge Charger R/T permaneceu com desempenho inalterado desde 2010, assim como ao seu “irmão” Dodge Challenger R/T. Infelizmente, suas reações simuladoras não são compatíveis às centenas de carros disponíveis no NFS World. Logo, é pouco competitivo, e útil somente em fugas e sprints com muitas retas.
Ironicamente, é também um dos carros mais divertidos para se pilotar. Ele não tolera erros, requer muita frenagem e derrapa como nenhum outro veículo do jogo. Portanto, o Charger é uma opção acessível para se divertir com os amigos e sobretudo, testar e aprimorar suas técnicas de pilotagem.

Informações sobre o colaborador:

Meu nickname no NFSW é HIPERVELOCE (Caio Daniel). Sou jogador desde 2011 e estou no servidor APEX.

domingo, 24 de agosto de 2014

Review - Renault Clio V6


Introdução:

O Renault Clio V6 foi apresentado inicialmente como um carro-conceito em 1998, porém lançado dois anos depois. Ele repetia a forma incomum do seu antecessor Renault 5 Turbo: Um hatchback com motor central-traseiro e tração traseira, substituindo os bancos dessa posição.
O motor em questão era derivado do Renault Laguna, um V6 de 3,0 litros e 24 válvulas, preparado para render 230cv. Recebeu freios mais potentes, carroceria reforçada e alargada, tomadas de ar laterais, entre outros aperfeiçoamentos.
O modelo do NFS World é a versão reestilizada conhecida como “Clio V6 Phase 2”, de 2003. A potência do motor saltou para 255cv, além de mudanças mecânicas que aliviaram o comportamento arisco do compacto em sua versão anterior.

Velocidade máxima

Na Classe D, pode atingir aproximadamente 225kmh, um valor baixo. Na Classe C, alcança os 257kmh, razoável para a maioria das pistas. Na Classe B, ronda os 300kmh, velocidade relativamente alta para um “Ex-Tier 1” nesta restrição. Todos esses valores sem o uso de nitro.

Aceleração:

 O Clio tem ótima aceleração, constante em todas as marchas. Nesse aspecto, é discretamente superior ao Fairlady 240ZG, porém um pouco abaixo no que se encontra no Mazda RX8. Devido ao seu fraco nitro e pouca aderência na largada, não é recomendado para Drags.

Dirigibilidade:

Sua capacidade de mudar rapidamente de direção é notória, os freios são eficientes e não há grandes tendências ao subesterço e sobresterço. Essas características fazem dele um carro muito ágil e seguro.
O Clio também é útil para fugas, resultado de suas dimensões compactas e aptidão para desvios de viaturas e tráfego. Mesmo com seu peso moderado, pode colidir com unidades mais leves da polícia sem problemas, contrariando a ideia de que somente carros grandes e pesados são satisfatórios nessa ocasião.

Preço:

A versão azul custa 2.100 Speedboost. A versão cinza custa 500.000 IGC.

Conclusão:

Sua versão de cash está disponível por um tempo considerável. Todavia, o Renault Clio V6 tem potencial ainda pouco explorado. O pequeno francês faz parte do grupo de carros velozes ausentes de nitro forte, rivalizando com Golf MKI, RX8, Skyline C10, entre outros.
Em suma, o Clio é ideal para trajetos mais técnicos, com muitas curvas e retas curtas. Logo, com oponentes sem muito espaço para uso exagerado de powerups, o “Hot Hatch” surpreende e entusiasma com seu desempenho.

Informações sobre o colaborador:

Meu nickname no NFSW é HIPERVELOCE (Caio Daniel). Sou jogador desde 2011 e estou no servidor APEX.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Review – Bugatti Veyron 16.4


Chegamos ao Review do carro mais cobiçado do jogo. O Bugatti EB 16.4 Veyron é um Hipercarro lançado em 2005 para ser simplesmente o carro mais rápido do mundo. Ele entrou para a história conseguindo o feito alcançando 407km/h (o feito foi registrado neste vídeo). Posteriormente, com o surgimento de alguns rivais como o Ultimate Aero TT e o Venon GT a Bugatti lançou novas versões, uma delas foi a Super Sport que alcançou incríveis 439,16km/h. Tudo nele é superlativo. São 16 cilindros em um motor de gigantescos 8 litros e 4 turbos que  geram na versão original 1.001cvs. Pra resfriar tudo isso ele conta com nada menos do que 10 radiadores.


No jogo ele foi lançado em 10 de Abril de 2013 e só pode ser adquirido quando se alcançam os 5.000 pontos (conquista nível 5 Corredor Lendário/Legendary Driver Achievement), o que o torna extremamente exclusivo e por isso desejado. Stock ele vem azul e prata com 815 de Overall, ou seja ele pertence somente a Classe S, mas FullUltra chega a 872 (a maior do jogo).

Velocidade final:

Stock ele alcança 362km/h, uma ótima velocidade para pistas com muitas retas, mas pode alcançar 420km/h com peças full ultra +nitro, ou seja, segue bem ao conceito que foi projetado de ser o mais rápido.

Aceleração:

A aceleração é muito boa, porém não é exatamente a brutalidade que se imagina de um carro com 1.001cvs. Acima dos 280km/h a aceleração diminui, talvez devido ao número de marchas (sete). O Nitro por outro lado é muito forte.

Dirigibilidade:

Muito boa também, o Veyron costuma virar bem até mesmo em algumas curvas mais fechadas, só se deve tomar cuidado em baixas velocidades pois o excesso de aceleração o fará perder a traseira e em altas velocidades ele pode derrapar muito (não virar), perdendo velocidade. Digamos que se dá melhor em pistas de média velocidade com curvas de saída não muito lentas e também em pistas que exigem velocidade final é claro.

Preço:

Bem aqui como a maioria já sabe o Veyron não pode ser “comprado”. Ele só pode ser conquistado alcançando os 5.000 pontos. É uma tarefa árdua que exige estratégia, persistência e paciência. Clicando AQUI vocês terão algumas dicas de como realizar suas conquistas mais facilmente e AQUI há uma tabela que lhe ajudará a planejar a melhor forma de chegar até lá.

P.S.: Curioso é que caso você seja louco o suficiente para querer vender o seu Veyron ele custa apenas 60.000 IGC.

Conclusão:

É um baita carro mas não se engane, apesar de ser o mais desejado ele não é o mais rápido nem o melhor mas é um deles. Apenas McLaren F1, Pagani Zonda Cinque e Koenigsegg Agera andam mais. É principalmente um troféu pois quem tem um desses com certeza já provou ser um ótimo jogador, mas também pode ser usado pra correr é lógico. Por incrível que pareça ele se encaixa melhor em Fugas em Equipe (devido ao peso e a agilidade) e em corridas sem restrição, em corridas de Classe S não é tão fácil vencer com ele devido ao alto nível dos players e aos Cinque’s, Agera's e F1’s que existem aos montes. Apesar da boa curva requer um certo tempo de adaptação devido ao tamanho do carro.

Informações sobre o colaborador:

Me chamo Bruno Mendonça sou Fotógrafo e Redator do site www.200milhas.com (o maior site automotivo do Norte e Nordeste) e jogo NFSW desde Maio de 2013. Conheça o meu trabalho curtindo a fan-page do site: www.facebook.com/site200milhas

Adicionais:  
Um dos nossos contribuintes, Dennis Felex, nos enviou seu vídeo retratando a experiência do carro desde seu resgate. No inicio do vídeo, completa a conquista de vinyls, consequentemente atingindo a pontuação necessária para o Veyron. Resgata o carro, o modifica e depois faz um teste na HWY 142.



quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Review - Mitsubishi Eclipse GS-T

Participando da série Need for Speed em várias ocasiões, o Eclipse GS-T mostra serviço também no World, sendo satisfatório em 3 das classes dentro do jogo.


Logo de cara veio em uma versão "Elite" - caracterizada por peças visuais, efeitos (No caso do GS-T, Sons Graves [Aperte "K"]), e até diferença em desempenho comparado ao mesmo carro em sua versão Stock (Será comparado mais tarde, neste mesmo Review).
Acompanha peças race tuned e skills 2 estrelas
 Seu preço é outro fator que separa "Elites" do restante: 8500 SpeedBoost, nem um pouco barato.
OBS: música: Junkie XL - Castellated Nut

Há mais duas versões do GS-T, agora baseadas no modelo de fábrica. 

5 meses depois da "Elite", saiu a versão roxa, com peças street tuned custando 2200 SB.


 Desta versão, veio a 4G63 em novembro do mesmo ano - Drag Edition - com peças race tuned, skills 2 estrelas, body kit e a sexta skill (responsável pelo aumento de desempenho em corridas de arrancada). 3500SB quando disponível.


Performance: As 3 versões abrangem desde a classe D até a classe A (poucos modelos do jogo fazem isso).
Destaques do carro:
-Versão "Elite": leve, curvas satisfatórias, baixa top speed com aceleração mediana. Nitro Forte
-Versão stock: leve, curvas um pouco mais firmes, top speed e aceleração medianas. Nitro Forte

Começando pela classe D, vale a pena ressaltar que o GS-T →STOCK← é o rei da classe, sendo melhor que qualquer outro carro da categoria. Muitos acreditam que o Toyota MR2 é melhor na D... Falso. O MR2 possui uma top speed extremamente baixa nessa classe, o que se encaixa também na questão da versão Elite do GS-T.

Na classe C, a versão elite começa a se destacar, sendo boa opção para corridas sem o uso de powerups. A versão stock pode já não ser mais tão competitiva, apenas de possuir nitro forte.

Na classe B, o "Elite" passa a ser rival direto do Toyota MR2, e ganha em quase todas as pistas sem o uso de powerups. Porém, com o uso deles, o MR2 passa a ser melhor em pistas com menor presença de curvas. Logo, o "Elite" ajusta-se melhor na classe B. Vale ressaltar que em várias pistas B (com mais presença de curvas) o GS-T "Elite" é recordista mundial. Exemplo: Campbell Tunnel.
O uso da versão stock a partir deste ponto já passa a não ser mais frequente, devido ao uso de muitas peças ultra para deixá-lo B599. Nesse caso, sua top speed será acima da média, porém com curvas que podem dificultar o jogador.

A classe A é a única classe onde nenhuma das 2 versões serão das mais úteis, pois é preciso ultrá-las fortemente, para um geral que não chega a A650. Sendo assim, ficam para trás perto dos carros participantes desta classe.

A versão de drag se encaixa em todo o relato feito em nome da versão stock, sendo que na drag C [Gridlock] pode ser boa opção, porém ainda atrás dos melhores como Audi RS4, Audi TTRS Coupe e Chevrolet Chevelle SS.

Para fugas, a versão stock pode se sair bem. A "Elite" sofreria mais, devido ao pouco peso. 

OBS: devido à versão "Elite" ser muito leve e possuir curvas eficientes, roda facilmente com o uso de nitro + jamanta em certas curvas, como na route 55, por exemplo. Tenha atenção também durante as largadas. As vezes só pelo fato de que outro jogador esbarre no seu carro, você possivelmente perderá o controle, chegando certas vezes a capotar.

Por: Dennis Felex

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Review - Porsche 911 GT3 RS 4.0

Um carro que foi polêmica em Junho de 2013, devido a um código distribuído pela comunidade russa do jogo (já desativado), chegou a ser anunciado para IGC mas nunca foi disponível pelo dinheiro do jogo, devido as grandes dificuldades da EA Games de hoje em dia...





Lançada em setembro de 2012, a versão Branca vem acompanhada de peças race tuned. Muitos jogadores acharam que tal carro seria melhor que seu "Irmão mais velho" GT3 RS 3.8, porém não foi bem isso na prática.

Sua outra versão, a Mega Blocks, foi um tanto controversa. A página russa do NFSW, na rede social Vkontake, liberou o código depois de conseguir 15.000 seguidores:


Até este ponto nenhuma anormalidade. Depois de algumas horas, jogadores reclamavam que não receberam o código descrito na imagem acima. A grande maioria disse ter recebido a versão Branca e alguns outros, o GT3 RS 3.8. Houve uma teoria onde a versão Mega Blocks seria disponibilizada para compra na Loja de Carros, colocada como engano no código e a alteração do prêmio foi uma tentativa de correção do erro (Nada confirmado).


Já que apenas os mais "ligeiros" resgataram o código com o Mega Blocks incluso e, conforme o tempo vários retiraram suas características únicas (Vinyls e Placa), atualmente é uma edição de carro bem rara.
Vinha acompanhada de peças Race Tuned.

Performance:
Muito comparável ao seu "Irmão" GT3 RS 3.8, a diferença baseia-se em Top Speed e em Dirigibilidade. O 4.0 possui melhor Top Speed (Chegando a ultrapassar 400km/h) com curvas mais firmes, enquanto o GT3 RS 3.8 possui melhores curvas e Top Speed um pouco inferior. Ambos nitro e aceleração nos 2 casos são satisfatórios e semelhantes, com uma ligeira vantagem do 4.0.
Tanto na classe A quanto na S o GT3 RS 4.0 possui Top Speed acima da média, sendo melhor enquadrado na classe S (Porém inferior aos atuais kings do jogo como McLaren F1, Pagani Zonda Cinque, Koenigsegg Agera, entre outros).
Para fugas, o carro pode se dar bem, tendo um peso médio e uma resposta ligeiramente boa nas curvas.
Para drags, não pode ser uma boa opção. O carro tende a "engasgar" com o nitro na largada, perdendo muito tempo.

Por: Dennis Felex